História da Beatriz

Sempre morri de medo de parir. Até hoje a ideia de uma cesariana me apavora: terem que cortar minha barriga, meu útero, mexerem em tudo dentro de mim, depois costurarem e eu ficar sentindo a dor dos pontos, não poder nem segurar o bebê direito devido às dores… Não deixa de ser uma cirurgia e ter riscos. E ter que ficar um tempão de jejum? Já ficaria nervosa só com isso! Realmente eu nunca desejaria uma cesariana para mim. Sempre pensava: espero que até eu querer engravidar tenham inventado uma maneira mais indolor. Até que um dia conheci sobre um recente tipo de parto: o parto natural humanizado. Totalmente diferente dos outros tipos de parto, que imagino que sejam frios, pois você só conhece e confia no seu obstetra e fica entregue nas mãos de toda uma equipe que você não sabe nem o nome deles. No parto natural humanizado há o calor humano. Todos te tratam com carinho. Há uma proximidade. Você sabe o nome de cada um da equipe e sente a ligação e profissionalismo entre eles, o que te passa a maior segurança. (Ou pelo menos assim é a equipe da Dra Carolina. A sala de parto em nada tem a ver com uma sala cirúrgica fria de um hospital, mais parece um quarto de hotel, com direito a banheira e tudo para relaxar das contrações na água quentinha. (Tive o privilégio de ter minha filha na Perinatal, que parece uma maternidade de país de primeiro mundo) Ainda Você pode ter a presença de uma doula ou melhor ainda: de uma fisioterapeuta gestacional! Que além de estar ao seu lado para o apoio emocional e massagens, conhece toda uma técnica de exercícios para Você fazer, seja para ajudar a posicionar o bebê, seja para aumentar a dilatação e acelerar o trabalho de parto, que foi o que aconteceu comigo. Estava com quatro centímetros de dilatação. Fiz analgesia, dormi um pouquinho e depois fui fazer exercícios no corredor do hospital com a Cintia Porto. Quando voltei já estava com 8 cm de dilatação e pronta para entrar no período expulsivo! Graças a Deus e a Dra Carolina e sua equipe meu parto foi tudo aquilo que sempre sonhei! Foi um parto ativo, dentro do prazo e das condições para um parto natural. Não precisei de muitas intervenções ( que também são possíveis para que vc realize seu sonho de parto normal) e a Beatriz não demorou tanto a nascer. Comecei a sentir as contrações naturalmente por volta das 4:00 da manhã. Quando também saiu meu tampão! Em seguida usamos de uma pequena indução para afinar meu colo do útero, que até o dia anterior encontrava-se bem grosso e fechado. As sete da manhã fui para a maternidade. As contrações embora não fossem tão regulares, eram em intervalos curtos. Após fazer uma cardio, a Dra Alessandra observou que eu estava evoluindo muito bem e que não seria necessário fazer mais intervenção nenhuma, apenas aguardar. Às 11:00 minhas contrações começaram a ficar muito fortes!! Fui então para a sala de pré-parto e para a banheira com água morna. Tive a companhia do meu marido e minha irmã, que por ser médica também pôde me acompanhar! Eles disseram estar com inveja de mim na água moreninha com hidromassagem, mas as dores eles não queriam sentir por mim. rs Tive que aguentar as dores de 11:00 as 13:00. Dores muito intensas! Realmente nessas horas vc não consegue falar nada com ninguém, só se contrair e “curtir” a dor. Confesso que me deu vontade de chorar, de me desesperar! Dra Carolina que o diga, pois disse que eu estava sem humor nenhum. rs Então recebi a analgesia, pelas mãos mágicas do Dr Paulo!! Que maravilha! Na mesma hora as dores cessaram, e me deu uma moleeeeira… rs Às 16:15 nascia então a minha princesa! Meu período expulsivo foi em torno de 40 minutos apenas! Não precisou fazer episio, como eu havia pedido a Carol. Infelizmente nem tudo são flores. A Bia nasceu com duas voltas do cordão no pescoço. Nasceu meio roxinha, sem reação, e teve que ser entubada. Neste momento ter a Dra Gisela ali como pediatra fez toda a diferença! Ela me passou segurança e tranquilidade de que tudo daria certo, de que tudo estava sob controle. Após 15 min de luta a Bia chorou forte, levando às lágrimas seus pais; emoção, alivio, agradecimento. Hoje, minha filha é uma bebê forte, saudável e muito esperta, pois nasceu de 41 semanas, no tempo dela.

Voltar
Fechar Menu